FOTO DE CAPA

Foto de Capa
Barra de Punaú - por Arilza Soares

segunda-feira, 30 de maio de 2011

FEIRA DO ALECRIM

                                                                         

                                                                
          
Voltar a Feira do Alecrim  foi um passeio através do tempo. Mesmo de visual diferente com barracas padronizadas, tive a sensação de que estava  a décadas atrás quando ir a feira com meu pai era era um ritual prazeiroso. Nessa época não existiam os grandes supermercados e ir a feira livre era quase uma obrigação. Eu me encantava com tudo: com os amontoados de frutas colocados na entrada da feira, as vielas repletas de barracas com brinquedos artesanais, as ervas e "garrafadas milagrosas", as  roupas e quinquilharias penduradas, os livrinhos de cordel, que lia escondido do meu pai (ele achava que não era literatura para criança) e principalmente as guloseimas deliciosas vendidas aos gritos pelos pregões dos comerciantes. É nessa gritaria e movimentação que a feira se faz presente juntamente com o canto dos repentistas e o arrastar do vai e vem de pessoas indo e vindo de todos os lugares.
                                                                             

                                                                                    
                                                                     
                                                                             
A feira do Alecrim existe desde 20 de Junho de 1920, quando um grupo de comerciantes liderados pelo paraibano José Francisco dos Santos resolveram fundar a feira. A idéia era que a feira funcionasse no domingo, mas o governo não aceitou e o dia escolhido foi o sábado. Na época os comerciantes não pagavam impostos. Só a partir de 1930 é que a Prefeitura começou as cobranças.
No dia 23 de março de 1957 Câmara Cascudo apresentou José Francisco como o idealizador da feira, mas só no ano seguinte a Câmara Municipal de Natal aprovou a Lei para o funcionamento da feira e uma placa de bronze foi fixada na rua Nove.
Hoje, a tradicional feira do Alecrim possui 515 metros de cobertura (tendas) num total de 1.056 bancas ,banheiros, lixeiras e placas de identificação de produtos que estão separados por tipos de produtos. 


      Organização da feira e seus  setores                   
  
1. CARNES  DE  BOI-CARNEIRO-BODE 

PORCO-VÍSCERAS...


                      1. Bucho                   2.Sangue talhado          3.  Mocotó
                      1. Miolo                    2. Testículo                    4. Fígado      
                1.Buchada de .Bode     2.Sarapatel de.Porco         3. fato                                            
                                

Carneiro e porco


2-PEIXES-CAMARÕES-CARANGUEJOS

  1.Atum   2. Tainha    3.Ciobas e Arabaianas 
                                 Camarões                                                                                  
                                                                    Caranguejo Uça    
                                                                                                                   
3.FRUTAS-LEGUMES-VERDURAS


                     1. Melancias            2. Maracujas      3.Laranjas e Abacaxis    
                                                                       Feijão verde 
                                                         Milho verde e cocos
                       1. Graviolas                2. Acerolas                3. Bananas      
                            1 e 2. Cajás                                 3.Goiabas 
                      1.Laranjas -Capim santo   2. Cajás                2. Jenipapos                                            
                       1. Pimentões                 2. Pimentas                   3. Quiabos
                        1.Manga Rosa              2.Laranjas                  3.Mamão
                                                                               
4. TEMPEROS E ERVAS


                     1. Pimenta do reino      2.Colorau                  3.Alho
                     1.Noni                        2.Ervas secas             3.Ervas verdes
                     1Corama                  2.Garrafadas     3.Ervas Desidratadas.                                              

5.GULOSEIMAS


               1. Rapaduras                 2. Sequilhos        Docinhos de caju-
               1. Sequilhos     2. Bolos: da moça-- de batata 3. Queijos

6.AVES E OUTROS ANIMAIS VIVOS


                       1. Guinés                           2. Galos                       3. Perus
                        1. Pavãos                         2. Cabras e Bodes        3. Patos


6. FARINHAS -GOMAS E CEREAIS


                                                              Gomas e Tapiocas
                                                   Feijões e farinhas de Mandioca

7.QUINQUILHARIAS
  E UTENSÍLIOS DOMÉSTICOS


                1. Colheres de pau         2.Raspador de coco        3. Urupemas
.
                              Cachimbos  e Fumo de rolo
                    1. Piões                2. Cordel                 3.Baladeiras                                              
                     1. Panelas                   2. Churrasqueiras       3.Lamparinas
                                                                         Utensílios de barro
                                                                                   

Problemas existentes nesse grande caldeirão cultural  

Infelizmente nem tudo tudo é mararavilhoso na feira do Alecrim. Os comerciantes reclamam do baixo faturamento e alguns mais pessimistas visualizam o fim das feiras livres, problemas originados pela presença hoje, dos grandes supermercados da cidade. Os moradores próximos da feira reclamam do barulho e da grande movimentação nos finais de semana, e alguns clientes falam da falta de higiene e da sujeira da feira. Mas, independente dos problemas que lhe afeta, a feira do Alecrim sobrevive à quase um século e é um lugar que merece ser prestigiado. Mais que um lugar de compra e venda de mercadorias baratas e quase sempre "fresquinhas" uma feira reflete a cultura do seu povo, evidenciada nos tipos de produtos vendidos, no seu manuseio,na linguagem, nos gestos, nas condições de trabalho e no comportamento geral das pessoas que fazem a feira. Assim um olhar mais atento aos diferentes setores da feira do Alecrim nos possibilita conhecer grande parte da riqueza gastronômica e cultural do povo dessa cidade.





Já que estamos falando de feira não podemos deixar de citar e de prestar a nossa homenagem a mais famosa feira nordestina, cantada e imortalizada pelo nosso Rei do baião,  Luiz Gonzaga - A Feira de Caruaru em Pernambuco.





FONTE:
                                            Jornal Tribuna do Norte - Natal RN
                                            Jornal Diário de Natal - Natal/RN
FOTOS
Acervo pessoal de Arilza Soares
Imagens Google
Edição de Fotos: Programa Pic-Niv- Yahoo/BR


                                                                  VÍDEO:

                          O vídeo foi enviado ao You Tube por 1414Beto em 02/08/2010






sábado, 28 de maio de 2011

BOLO PRETO OU BOLO PÉ DE MOLEQUE


                                                                                 
                                                                                                                                           
"Bolo preto"  "Pé de moleque" ou será que depois dessa onda do "políticamente correto" ele passa a se chamar de "bolo afro descendente"?! Aqui em Natal ele é mais conhecido como "bolo preto" mas, qualquer que seja a denominação, esse bolo sempre esteve presente em nossa mesa. Em algumas cidades do Nordeste seu consumo se restringe à época dos festejos juninos ,porém aqui não é raro encontrá-lo para vender nas padarias espalhadas pelas cidades,durante o ano todo.       


                                                                               
                                                             
                            
Na Praia de Pirangi do Norte ( Parnamirim-RN ) ainda se preserva, entre os pescadores, o costume de trocar o bolo com amigos e parentes na véspera de Natal. As mulheres procuram reproduzir as receitas como suas mães e avós faziam.O evento reune mulheres de várias famílias para a produção do bolo, e começa bem antes do Natal, quando se reunem para torrar as castanhas de caju,ralar a mandioca para preparar a "massa puba".Depois vem a torra do cravo com a erva doce, bem como a preparação do mel de rapadura.É um ritual que dura dias ,mas é assim  que essas mulheres mantém viva uma tradição, alheias aos" panetones" que invadem nossas mesas nessa época.




                                                                             
                                                                         
O bolo Pé de moleque tem origem lusitana.Na Ilha da Madeira encontramos um "bolo preto". composto de melaço, açucar, manteiga, farinha de trigo, frutas secas, café e especiarias. Esse bolo é usado nos festejos natalinos ou como bolo de casamento dos noivos camponeses. Ao ser introduzido no Brasil, sofreu influências indígenas: a presença do mel ou melaço foi mantida, a farinha de trigo foi substituída pela mandioca puba. As especiarias permaneceram e ao invés de frutas secas, as castanhas de caju.  A influência indígena também o embalou para assar na folha da bananeira.


               
                   






Receita do bolo pé de moleque à moda de Pernambuco, recolhida por Gilberto Freire
                                  


 Ingredientes


     4 ovos - 6 xícaras de massa de mandioca
1/2 Kg de açucar de segunda - 1 xícara de castanhas 
   de cajus pisadas - 1 coco - 3 colheres de sopa de-manteiga - cravo-erva doce e sal


Modo de fazer

Espreme-se a massa,passa-se numa peneira, depois junta-se o leite de coco, tirado com pouco de água. Em seguida junte os ovos, a manteiga,o açucar, as castanhas pisadas, uma colherzinha de sal, e outra de cravo e erva doce. Leva-se ao forno numa forma untada e pôe-se em cima algumas .castanhas de caju inteiras



                                                  
                     
                                                                           

terça-feira, 17 de maio de 2011

IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DA APRESENTAÇÃO






Se as dunas representam o cenário mais marcante da minha infância, a antiga Catedral de Natal e os bancos da praça "André de Albuquerque" formam o cenário mais marcante da minha adolescência. Aqui durante quatro anos foi o ponto de encontro de amigos queridos, alguns deles presentes na minha vida até hoje. A missa das cinco horas da matriz era o pretexto para o encontro de um grupo de jovens pertencentes a JEC ( Juventude Estudantil Católica ) movimento do qual eu fazia parte. Era um ritual diário, um encontro espontâneo pontilhado de sonhos e a vontade de mudar o mundo, de construir uma sociedade mais justa e mais fraterna.







 História da Matriz de Nossa
Senhora da Apresentação



A Igreja Matriz de Nossa Senhora da Apresentação, conhecida por ser a antiga catedral de Natal, foi o primeiro templo que se construiu na cidade, tendo sua construção iniciada por ocasião da  sua fundação em 1599, quando foi celebrada a primeira missa. em 1599. Constituída inicialmente apenas da Capela Mor, passou por sucessivas ampliações sendo concluída em 1862, quando da edificação de sua torre.   






                                                                   


Câmara Cascudo assim  descreve a origem da matriz: “a capelinha, de barro socado e coberta de palha, ramos secos entrançados (nesse tempo não havia coqueiros, que foram introduzidos mais tarde pelos jesuítas), teria apenas uma entrada, sem sino nem aparato. Em 1614 não possuía ainda portas. Em 1619 estava pronta. Os holandeses tomaram a cidade em dezembro de 1633. A 18 de dezembro daquele ano, um domingo, o pastor luterano Johannes, fez sua pregação no recinto católico, erguido pelas mãos portuguesas. E tornou-o templo de doutrina luterana. Até fevereiro de 1654, quando os flamengos foram expulsos, não há notícia maior da humilde casa de orações. Em sua derrota, os batavos, não podendo abater os insurgentes, vingaram-se destruindo o que podiam. A capelinha foi abaixo, bestialmente.”







Em 1672 o Padre Leonardo Tavares de Melo inicia a reconstrução da igreja que fica pronta apenas em 1694; até hoje, na soleira da porta principal, há uma pedra gravada com esta data.  Em 1862 a torre foi construída, em 1871 ganhou piso novo, em 1874 veio um sino pequeno que às 21h dava o toque de recolher.A partir do final do século XIX sofreu modificações e acréscimos na sua arquitetura original, adquirindo feições neoclássicas. Em 1995 passou por uma cuidadosa restauração que lhe devolveu as características coloniais. Por ocasião dessa restauração foram encontradas pinturas do século XVII, encobertas por 17 camadas de tinta.








 A IGREJA  MATRIZ DE NOSSA SENHORA DA
 APRESENTAÇÃO





Localizada no outeiro do sítio onde Jerônimo de Albuquerque Maranhão implantou a cidade, na antiga rua Grande  dos primórdios de Natal, hoje a atual Praça Andre de Albuquerque. Por sua importância histórica o templo é tombado pelo Governo do Estado e pertence a Arquidiocese de Natal, um monumento que o RN orgulha-se de possuir. 









A  Antiga Catedral de Natal é um templo dedicado a Nossa Senhora da Apresentação denominação dada a Nossa Senhora do Rosário na cidade de Natal. Recebeu esse nome por ter sido encontrada nas águas do Rio Potengi no dia  da Apresentação de Maria ao Templo de Jerusalém. Vale ressaltar que Nossa Senhora da Apresentação é a Padroeira desde a introdução do Cristianismo na sociedade natalense, antes mesmo da aparição da imagem no rio.




A Padroeira da Cidade








"Tu quiseste um dia trazer alegria ao nosso cantar  / E vieste Maria com Jesus nos braços, nas ondas do mar.../ Pescadores te  acharam, com amor te acolheram, ó Mãe sem igual / Entre o Potengi e as águas tranquilas do mar de Natal - (Refrão): 
Escolheste por amor nossa terra pra aqui vir morar/ Virgem Mãe do Senhor /Aos seus pés nós iremos rezar"

                                 ( Hino de Nossa Senhora da Apresentação)









A história da Padroeira de Natal baseia-se na tradição oral. Não há nenhum documento que registre a aparição da imagem nas águas do rio. 
Segundo a fé potiguar, um grupo de pescadores contam que na manhã de 21 de novembro de 1753, encontraram na margem direita do rio, um caixote encalhado entre as pedras. Nele estava uma imagem da Mãe de Jesus com o Menino Jesus; em uma das mãos segurava o menino e a outra estendida, parecia segurar algo - um rosário talvez, foi o que imaginaram. Os pescadores trataram de avisar ao Vigário da Paróquia, que logo conduziu a imagem para a Matriz , ciente de que era um ícone de Nossa Senhora do Rosário. Coincidentemente, o dia 21 de novembro, no calendário católico, é o dia em que é celebrado a Apresentação de Maria ao Templo. Por esse motivo a imagem foi chamada de Nossa Senhora da Apresentação - a Padroeira da cidade.


                                                



Os festejos em honra a Nossa Senhora da Apresentação acontecem no período de 11 a 21 de novembro. As celebrações se realizam nas duas catedrais da cidade, e a programação de maior destaque fica por conta da Missa celebrada às cinco horas da manhã, na Pedra do Rosário local onde a imagem apareceu. 
A programação sócio cultural é realizada à noite, após a novena, no pátio da catedral Metropolitana.  
                                              

Clique no link abaixo para ouvir o Hino dedicado a Nossa Senhora da Apresentação:

   http://www.youtube.com/watch?v=jIo8zQVdgvE&list=UUJtpL-8RRL90KqBaxXizqvA




Fontes:
  • Luís da Câmara Cascudo - História da Cidade de Natal
  • Severino Vicente - Por Amor a Natal-Poesia, História e Arte Ed. RN/Econômico - 2010
  • Diógenes da Cunha Lima - Natal Uma Nova Biografia- Infinita imagem 2011
  • Jornal Diário de Natal - Natal/RN

Fotos:
  • Imagens Google
  • Edição de Fotos´Programa Pic-Nic- Yahoo/Brasil



Essa postagem é dedicada a Otávio Tavares, um amigo querido, que durante um determinado tempo da minha adolescencia, foi meu grande parceiro, companheiro de todos os momentos, com quem dividi alegrias, tristezas, sonhos e projetos.
Obrigada Otávio por tudo que você representou e ainda representa na minha vida. A minha história não seria contada sem a sua presença marcante, desde o incentivo para que passasse no vestibular ( lembra que era você que ia saber das minhas notas?)  e a insistência para que eu arranjasse meu primeiro emprego, substituindo seu pai - o grande Professor Álvaro - no Colégio das Neves.
Com você não só aprendi, como vivênciei o verdadeiro sentido da palavra amizade. Pra você eu posso cantar em alto e bom tom os versos da música de Roberto Carlos: "Você meu amigo de fé meu irmão camarada / Amigo de tantos caminhos, de tantas jornadas...
                          Um grande abraço com todo meu carinho e amizade - Arilza
                  





quarta-feira, 11 de maio de 2011

ROBERTA SÁ - UMA VOZ QUE CANTA E ENCANTA!



Vento Nordeste hoje presta mais uma homenagem. Dessa vez a uma artista potiguar com quem tenho total identificação. Essa identificação se deve em primeiro lugar ao fato dela ser nordestina, nascida em Natal, e disso se orgulhar. São suas as palavras: "Ser nordestina sempre teve uma importância enorme pra mim, mesmo depois de ter mudado para o Rio de Janeiro, cidade maravilhosa, pela qual me apaixonei" Em segundo lugar, pelo repertório maravilhoso, um tanto quanto nostálgico, escolhido a partir  de suas vivências afetivas.


BIOGRAFIA



Natural do RN, radicada no Rio de Janeiro desde os nove anos, Roberta concluiu o curso de Jornalismo, mas sempre estudou canto com hobbie. Fez suas primeiras apresentações em 2001, abrindo shows dos grupos "Liquidificalouca" e "Paula Leal e os Infiéis" no Planetário da Gávea. Apareceu para o grande público pela primeira vez como uma das concorrentes do programa "Fama" da Rede da Rede Globo, mas não foi classificada. Durante o programa conheceu o preparador vocal Felipe Abreu, que a incentivou a montar o seu primeiro  show realizado no ""Mistura Fina" em 2002.
Em pouco mais de três anos, a música, passou de coadjuvante à protagonista na vida de Roberta, desde que ela teve a certeza de que era esse o caminho. Aos 24 anos Roberta apresentou seu "Braseiro" com jeito de veterana. Está casada com o músico e compositor Pedro Luis. .


                                                                                                                                                                     

Até se consagrar como uma das melhores intérpretes da MPB na atualidade, Roberta mostrou toda sua garra nordestina batalhando sozinha para divulgar seu trabalho: gravou uma Demo com cinco canções e saiu nas portas das gravadoras e das pessoas que considerava influentes. Ela mesmo confessa como foi parar na trilha sonora de novela da TV Globo: " Depois de pronta, resolvi fazer a demo chegar às mãos de Gilberto Braga, que estava por estrear a novela Celebridade, e Mariozinho Rocha (o todo poderoso produtor musical da TV Globo. Na cara de pau mesmo! As músicas da demo não casavam com os personagens, mas o Gilberto queria incluir o samba "A vizinha do lado" de Dorival Caymmi, e me convidou para gravá-lo".






Em 2008, a música "Mais Alguém" entrou na trilha sonora de "Negócio da China". Mais tarde em 2009, a mesma canção também entrou na trilha da novela "Viver a Vida" Por sua vez, em 2010, a canção "Fogo e gasolina" entrou na trilha sonora de "Passione". Em 2011, convidada por Gilberto Gil, gravou com ele, a canção "Minha Princesa Cordel"  tema de abertura da telenovela  "Cordel Encantado".




DISCOGRAFIA


                                 1. SAMBAS & BOSSAS



                               

Seu primeiro disco gravado em 2003 "Sambas & Bossas foi produzido por Rodrigo Campello, mas não foi comercializado, sendo apenas distribuido pela Empresa Sonoco do Brasil

                                     2. BRASEIRO




Em 2005 lançou o CD "Braseiro" também produzido por Rodrigo Campello, cantando basicamente sambas, com as participações de Ney Matogrosso, Pedro Luís e a Parede e MPB-4. O CD logo chamou atenção da crítica sendo Roberta apontada como uma das melhores aparições do cenário artístico em 2005.


                        3. QUE BELO E ESTRANHO DIA
                                    PRA SE TER ALEGRIA



Lançou seu terceiro disco em 2007  "Que Belo Estranho Dia Pra Se Ter Alegria" muito bem recebido pela crítica, sendo agraciada com os prêmios de melhor cantora e melhor disco do ano pela APCA  (Associação Paulista dos Críticos de Arte).


4. PRA SE TER ALEGRIA




EM 2009 Roberta lança seu primeiro DVD gravado ao vivo, no show realizado no Vivo Rio. Nele, ela faz um apanhado dos seus dois primeiros discos e conta com as participações de Chico Buarque, Pedro Luís, Ney Matogrosso, Yamandú Costa, Antonio Zambujo, Hamílton de Holanda e Marcelo D-2.


5. QUANDO O CANTO É REZA





Em 2010 seu álbum "Quando o Canto é Reza" é inteiramente dedicado ao compositor baiano Roque Ferreira. Nesse trabalho Roberta conta com a parceria do fenomenal grupo de instrumentistas "Trio Madeira do Brasil"


 6. SEGUNDA PELE


Em 2012 Roberta volta renovada e se volta um pouco para o Nordeste. Segunda Pele traz canções inéditas escritas por diversos compositores. Produzido por Roberto Campelo, o disco tem; Pedro Luis (Lua), o uruguaio Jorge Drexier (Esquirlas), Rubinho Jacobina (Bem a Sós) e Lula e Yuri Queiroga, que assinam o primeiro single do disco "Pavilhão de Espelhos!


OUTROS MOMENTOS DE ROBERTA

1. SHOWS


" No Canecão"- Música: Ah, se eu vou!






"No Teatro Rival-RJ 
Música : Samba de Um Minuto






  "Cem anos de Carmem Miranda"
Música: Taí



  "Cem anos de Ataulfo de Paiva"
Música: Mulata Assanhada 



"Era iluminada - Homenagem à Tropicália"
Música: Baby





2. DUETOS

Com Chico Buarque - Mambembe


Com MPB-4 - Cicatrizes

 

 Pedro Luís e a Parede - Girando a Renda




ENTREVISTAS


Com Marília Gabriela




Na TV  TPM




Na TV  Cabugi-Natal /RN



Belíssima voz, afinação impecável, simpatia. Ouvir Roberta Sá faz bem a alma! Seu repertório é uma declaração de amor a MPB e a todos aqueles amantes da música de boa qualidade. Conhecer um pouco mais da vida dessa conterrânea, me tornou sua fâ incondicional, não somente pelo excelente trabalho que apresenta, mas por sabê-la Natalense, e de certa forma tê-la mais próxima de mim. Gerações nos separam mas, coincidentemente trilhamos os mesmos caminhos entre Natal, Ceará Mirim, Muriú, Rio de Janeiro, Ipanema...! 
Vida longa  e muito sucesso pra você Roberta. Que você continue cantando e encantando a todos nós!




Fontes:

  • Pesquisas Web - Site de Roberta Sá
  • Jornal do Brasil - Rio de janeiro -RJ
  • Jornal A Folha de São Paulo-SP
Fotos:
  • Imagens Google
  • Edição de Foto: Programa Pic-Nic- Yahoo/BR
Vídeos:
  • Do You Tube