FOTO DE CAPA

Foto de Capa
Barra de Punaú - por Arilza Soares

papjerimum.blogspot.com.br

SEJA BEM VINDO AO VENTO NORDESTE!

Seguidores

domingo, 26 de fevereiro de 2012

CARNAVAL EM NATAL - RELEMBRANDO OS BLOCOS DE SUJO E AS MEMORÁVEIS FIGURAS DOS PAPANGUS

                                         
                               


Sou carnavalesca por natureza, e ainda em clima de carnaval quero continuar minhas buscas por esse universo, relembrar um pouco os Carnavais da minha infância, impregnados de papangus e dos blocos de sujo com seus brincantes batendo nas  latas e cantado pelas ruas do bairro: "Olha o bloco de sujo / vai batendo na lata  / alegria barata / carnaval é assim / bate, bate,bate, bate na lata / bate bate, bate, bate na lata /  bate, bate, bate, se não tem tamborim (bis) carnaval é assim". Lembro do bloco fundado pelos meus irmãos  e amigos da vizinhança, " O Bafo do Gato" parodiando o grande "Bafo da Onça" do carnaval carioca.Os gatos da redondeza que se cuidassem pois um mês antes do carnaval não ficava um - viravam tamborins. Coitados dos gatos! E o bloco desfilava animado ao som das latas, dos  tamborins de couro de gato  e da música : Nessa onda que eu vou / Olha a onda iaiá / É o bafo do gato / que acabou de chegar ... e concluíam: é o bafo do gato / Que eu trago guardado no meu coração / Oba, oba, oba( Na marchinha  original leia-se "Bafo da Onça ao invés de "Bafo do Gato).



                                           "Pau na Lata" na Praia da Redinha 
                                        Resgate dos antigos carnavais de rua

                             
OS DIVERTIDOS PAPANGUS





É do "papangu" que mais tenho lembranças. Era impossível sair ás ruas da cidade, lá pelos idos dos anos 50, sem se deparar com essa figura curiosa, mascarada, com o corpo todo coberto, andando sozinho ou em bando. Amado e muitas vezes temido, os papangus faziam a festa, ora assustando, ora divertindo, num misto de palhaço e bicho papão. Na minha rua os papangus eram pessoas conhecidas, geralmente pais de família, ou avós  o que era muito curioso, porque fora do carnaval essas pessoas eram normalmente sisudas. E a meninada, assustadas ou não, saíam atras dos papangus, esses brincantes de indumentária rústica, improvisadores de mímicas e palhaçadas, atraindo as atenções por onde passavam.





Em Natal a figura do Papangu foi aos poucos desaparecendo. Hoje o bloco "Us papangus" tenta resgatar e tirar do ostracismo esse personagem tão marcante no carnaval nordestino. No entanto se adentramos pelo interior do estado, vamos encontrar os papangus fazendo a alegria do carnaval na maioria dos nossos municípios.


                                                 Bloco "Us papangus"-Natal/RN


                                                                                  
                               BUSCANDO AS ORIGENS


As origens dos papangus no Nordeste datam do século XIX em Pernambuco. Nos primórdios, os papangus ajudavam a organizar as procissões  católicas de cinzas.Renan Pimenta Filho escrevendo para a Revista de História Municipal editada em Pernambuco, assim descreve o papangu: "indivíduo que ia na frente da Procissão de Cinzas encarregado de tocar corneta anunciando o cortejo. Vestia uma túnica de tecido escuro, tinha a cabeça e  o rosto coberto por um capuz branco com três buracos um na boca e dois nos olhos. Levava um chicote com o qual batia nos moleques que tentavam perseguir o cortejo religioso".
Em 1831, os papangus foram banidos desses eventos, "pois eram vistos com um quê de morte e tirania', diz a escritora potiguar Goimar Dantas autora do livro "Quem tem medo de Papangu?" Com o tempo os papangus reapareceram como brincantes carnavalescos, completamente dissociados das procissões.


              BEZERROS EM PERNAMBUCO 
A CIDADE DOS PAPANGUS


  Os Papangus de Bezerros

Em Pernambuco,  a cidade de Bezerros é conhecida como a cidade dos Papangus. De tradição centenária, os foliões de Bezerros tem outra explicação para as origens do papangu. Para eles o "papa-angu nasceu de uma brincadeira de familiares dos senhores de engenhos, que saiam mascarados, mal vestidos, para visitar amigos nas festas de entrudo - antigo carnaval do século dezenove, e comiam angu, comida típica do agreste pernambucano. Daí passaram a ser conhecidos como papa-angu. Há outra versões populares, mas essa é a mais conhecida na cidade.

                                         
OUTROS  SIGNIFICADOS DA PALAVRA


No Nordeste a palavra Papangu pode ter também outros significados: para uns o termo identifica uma pessoa desajeitada, que se veste mal: para outros uma pessoa desprovida de beleza; mas pode  identificar também uma pessoa lerda, abobalhada. 



FONTES: 

  • Publicações do Diário de Natal sobre o Carnaval
  • Site de divulgação o carnaval de Bezerros- Pernambuco
  • Site de divulgação do livro "Quem tem medo de Papangu?" da escritora  potiguar Goimar Dantas´
  • Artigo do Professor Renan Pimenta Filho, publicado na Revista de História Municipal - Pernambuco
FOTOS 

  • Imagens Google
  • Edição de fotos: Programa Pic-Nic - Yahoo/BR




2 comentários:

  1. Essa postagem é dedicada ao meu irmão Ailson pelas lembranças que me vem à memoria do seu bloco "O bafo do gato" -por sua maneira simples, espontânea, animada e irreverente com que brincava o Carnaval.Feliz de quem tem histórias com essas pra contar Ailson!

    ResponderExcluir
  2. Relembrando as folias da nossa época de criança. Eu tinha um misto de medo e admiração pelos Papangus, as vezes a gente identificava alguem da rua com a fantasia, ai ficava legal e divertido, as vezes a gente lançava água neles, com aqueles frascos de plástico, (esquecí o nome agora), eles faziam gestos ameaçadores, de mentirinha, simulando que íam pegar a gente, corríamos gritando fazendo fuzarca geral..;
    Ainda cheguei a usar lança-perfumes, aquele aroma agradável, logo depois foram proibidos, na época eu não entendia porque

    Eduardo de Souza - Rio Branco/Acre Via E-mail

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...