FOTO DE CAPA

Foto de Capa
Barra de Punaú - por Arilza Soares

papjerimum.blogspot.com.br

SEJA BEM VINDO AO VENTO NORDESTE!

Seguidores

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

PURA NOSTALGIA - OS MORROS DO ALTO

                 

"O futuro mais brilhante é baseado num passado intensamente vivido"



                                                               Clarice Lispector



A minha infância foi assim, cercada de dunas, de mar, e da maravilhosa vegetação da Mata Atlântica.Um verdadeiro paraíso para a meninada do lugar! Subir e descer os morros, andar pelas trilhas, colher as frutas da mata,ouvir o canto dos pássaros,era tão importante pra mim quanto ir à praia, ver a pesca do arrastão,catar conchas e pedrinhas, correr atrás da " maria farinha" mergulhar, ou pegar onda naquelas águas mornas do Oceano Atlântico.Tudo o que precisava pra ser feliz estava ali,na frente da minha casa,nos fundos do meu quintal! E mesmo com todas as regras e limites impostos pelos meus pais, e pela educação dada as meninas naquela época, eu aproveitei muito e vivi intensamente tudo que a natureza exuberante da minha cidade me oferecia.                                     


  • Lembro com carinho das caminhadas com meu avô pelos morros para colher lenha para o fogão. Andar por aquelas trilhas na mata, que ele conhecia tão bem,  era fantástico, como fantásticas eram as histórias que ele contava para nos manter junto dele: histórias sinistras sobre a cobra cipó, a onça pintada e pior delas, sobre a existência do "morro do estrondo" com suas "areias movediças" provocadas pelos estrondos do morro..Quem se aventurasse a subi-lo morreria soterrado. O mais intrigante nessa história é que a gente ouvia estrondos ,o que nos levava a acreditar piamente no meu avô. Anos mais tarde descobri que, por trás daquele morro, tinha um centro de treinamento do exército, e que os estrondos eram tiros de verdade.

                                                                                  

  • E que aventura para se chegar no Farol de Mãe Luíza! O caminho era longo, cansativo, subindo e descendo morros, ou andando nas trilhas da mata fechada.Mas compensava! A natureza generosa, repleta de frutos, era uma atração a parte.Os animais da mata não nos amedrontava-bastava ficar atentos e respeitá-los que nada acontecia.E a chegada ao farol era uma festa; eu só precisava arranjar coragem para chegar ao seu topo,mas minhas as pernas fraquejavam só de olhar para as escadarias! Só consegui vencer esse desafio uma vez, levada pela mão do meu avô - uma experiência para mim, inesquecível!

                                                                                       

  • Não dá para falar os morros e esquecer de um deles que ficava na subida, onde hoje é a ladeira de Mãe Luíza-uma duna linda, cercada de vegetação que lembrava o Morro Careca de Ponta Negra.Eu gostava demais daquele morro e sempre que tinha oportunidade ia pra lá me juntar aos meninos da redondeza.Por causa disso levei muita bronca e fiquei de castigo muitas vezes-"isso é coisa de moleque" "menina que se preza não anda em pé de morro". De nada adiantavam essas reclamações, assim que eu podia, estava lá novamente, passando "sebo de carneiro" numa tábua para subir e escorregar no morro.Já brincava de "Skibunda" naquela época.


                                                    
  • Impossível esquecer o pé de maçaranduba, que ficava próximo a esse morro,mais ao lado, para ser mais precisa.No período da safra, senão me engano,no mês de janeiro, o pé ficava repleto de maçarandubas vermelhinhas, deliciosas. Eu comia com casca e tudo para não desperdiçar nada, e voltava para casa com a boca grudando, do leite pegajoso da fruta.Das frutinhas da mata, maçarandubas eram as minhas preferidas. Encontrá-las hoje é raro, o que é uma pena! A meninada nem sabe o que é maçaranduba, e deixa de saborear  esse doce sabor de infância.

            




4 comentários:

  1. Arilza,muitas vezes eu, minha mãe, junto com vizinhos inclusive Menininha(sua tia ) íamos buscar maçaranduba, no caminho,achavamos Maria Preta, uma frutinha pequenininha e bem pretinha, muito doce essa sim creio que pouquissimas pessoas conhecem, só quem subia o morro mesmo kkkkk valeu mais uma vez bj

    ResponderExcluir
  2. Marilda eu tinha que fazer essas postagens junto com vc.Vivenciamos as mesmas coisas e vc tem uma excelente memória.Lembrou bem a Maria Preta.No quintal da casa do meu avô tinha um pé, mas ele não deixava a gente comer, dizia que embebedava.Eu gostava tb de "minha tia" umas frutinhas bem pequenas, doces que dava num cachinho parecido com o de uva.Eu não subia ao morro para colher maçarandubas,porque meu pai não deixava.Minhas aventuras no morro eu fazia ainda bem criança com o meu avô ,ou quando eu fugia de casa.Mas depois que os morros começaram a ser habitados, as minhas dunas sumiram eu já não fui mais Meus irmãos sim continuavam a ir atras de maçarandubas, só se falar nelas fico com água na boca.

    ResponderExcluir
  3. Lindas lembranças merecem ser compartilhadas... Parabéns pelo texto muito bem escrito e repleto de emoções. Dessa vez você se superou...

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...